Feliz Aniversário @cesargreat ...Parabéns!

sexta-feira, 16 de setembro de 2011


Já podaram seus momentos
Desviaram seu destino
Seu sorriso de menino
Quantas vezes se escondeu
Mas renova-se a esperança
Nova aurora, cada dia
E há que se cuidar do broto
Pra que a vida nos dê
Flor flor o o e fruto
Há que se cuidar da vida
Há que se cuidar do mundo
Tomar conta da amizade
Alegria e muito sonho
Espalhados no caminho
Verdes, planta e sentimento
Folhas, coração,
Juventude e fé.
 
Amigo de Fé e irmão camarada
És muito amado por todos nós
Nesta data tão linda do seu aniversário
Unimos nossas forças de pensamentos e
Celebramos a amizade junto contigo!
Te amamos,Mano velho.
FELIZ ANIVERSÁRIO.
FAMÍLIA CAJADO.

Revista Cultural Novitas nº11-Tem poema meu lá

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Gostaria de compartilhar o meu poema publicado na página cinco da Revista cultural Novitas com o título: Em busca do nada que também foi pulblicado no Portal Arte & Cultura onde eu tenho uma coluna quinzenal chamada "Ilusão de um verso"

Nesta Edição

03 - Editorial
04 - Poesia
07 - Jazz em série
08 - Boteco do Haroldo
09 - Cruzada Cultural
10 - Lado C: Interney
11- Opinião: Alisson da Hora
12 - Entrevista: Pitty
17 - Projetos Culturais: DIAHUM
19 - Zodíaco
20 - Contos
22 - Opinião: Letícia Losekann Coelho

Créditos de Imagens
Pitty:
Capa - Caroline Bittencourt
Super8 - Rafael Kent
Demais imagens - arquivo Pitty
DIAHUM: Todas as imagens fazem parte do acervo de DimitriBR.
Demais imagens: anunciantes ou acervo Novitas. Para saber mais, acesse ao site da Revista Cultural Novitas


Devaneios Musicais

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011



Devaneios Musicais

Ser adolescente é algo que, para muitos, soa como uma incógnita da vida.

Enquanto meros normais vivem na rebeldia da conveniência, eu sigo meus passos nos acordes das letras no meu instrumento.

Costumo dizer que os instrumentos são amigos que consolam o coração e, na composição expressa pelo músico, escorrem lágrimas de tristezas e alegrias.

A música é um ritual que acalma a alma do ser humano e é praxe que ela é a forma de expressão mais exata para gritar ao mundo o que estamos sentindo.

A personalidade e a percepção aguçada através da melodia nos fazem refletir.

Umas trazem cores de alegrias, outras de tristeza, mas a música é dona de trazer a saudade.

Músicas são sinais.

São vitais.

Essenciais.

Rituais.

Faço das canções meus devaneios, minha viagem ao tempo, minha saudade, minha alegria e o meu tudo.

Eu sinto, tu sentes e nós sentimos.

Vivemos nos devaneios dela.

A música é uma dádiva.

Obrigado a todos que passam por aqui e deixam suas considerações.

Mesmo que não comentem, eu me contento com a simples atenção da leitura.

Um abraço a todos!

Rafael Cajado

Texto original aqui no Portal Arte & Cultura : Devaneios Musicais

Em busca do Nada

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Por Rafael Cajado em Ilusão de um Verso

O acaso é amigo do meu coração – Rodrigo Amarante

Em busca do Nada

Pude ver que o sonho era pouco

Que estava sozinho em um silêncio rouco

Que estava louco por não querer ser assim

Me fingir de burro para você sobressair.

«»

Meu amor, nunca diga que sou sua vida

Pois nem da vida eu sei…

Viver é para quem sabe

Sou mais uma vítima do amor

Mas isso não vale…

«»

Acordar para quê?… Se meu sonho é te ter

Dormir para quê?… Se meu ar é você

Morrer para quê?… Se eu quero te amar

Viver para quê?… Se a dor vai me matar

Chorar para quê?… Se meu riso é teu ser

Sorrir para quê?… Se você está longe de mim.

O que me restou? … Nada, sou o mesmo poeta

De terno e gravata esperando a sua chegada

Olhando firmemente pela janela

Sabendo que ela nunca vai chegar

Mas alimentando o amor

Que me faz sonhar.

«»

Pensando na vida, inventando uma saudade

Escutando mentiras, retratando a falsidade

E o palhaço sem maquiagem tendo surtos

De um aquáriano em delírio diário falando coisas

«»

Sobre a vida que qualquer um pode ver em um cardápio

Procurando algo sem saber bem o que é…

As manchetes de jornais escrita por um sensacional da esquina

Resmungando a vida feito solidão de Outono

Vivendo outrora um abandono de quem já foi perdido

«»

Na minha cabeça só existe uma frase: Princesa medieval

Te amo mais que um bobo formal.

Quero gritar, ir para rua dizer minhas fraquezas

Sorrir feito louco, chorar de pouco em pouco

Mandar todo mundo pro inferno…

Desejar um futuro melhor e mais perto

«»

Dizer coisas sobre a vida…Calado sem sono

Na mesma tirania dividida…

Escutando notíciasque já passaram…

Escrevendo loucuras do meu passado…

E no fim, querendo que todo mundo tenha

Um final feliz.

Rafael Cajado

Dedico essa música ao amigo Cláudio Henrique que viveu como nunca e partiu deixando o legado de viver a vida como se fosse o último dia,porém feliz!

Á você amigo,a dor da saudade, e na memória apenas felicidade.

Até mais.




Postagem original no Portal Arte & Cultura na coluna "Ilusão de um verso"

Clique Aqui »» Em busca do Nada

Pai...Feliz Aniversário!

domingo, 21 de novembro de 2010

 Meu pai, você se lembra quando cheguei ao mundo?
Você me pegou em seus braços com aquele carinho paterno
e ainda trago guardado em meu coração aquele calor que
aquece e protege.

Hoje pai, sou um homem vitorioso, pois graças aos seus ensinamentos
tenho uma vida digna e honesta.
Obrigado por tudo que fez por mim.

Você sempre esteve ao meu lado nos bons e maus momentos,
e te agradeço de coração.
Que os anjos iluminem o seu caminho, hoje e sempre.
Querido pai, feliz aniversário
Te amo muito.
Com carinho.
Rafael Cajado

Eu e Você…Um único ser!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

3074540496ecc9efeb66

 

Não consigo mais dormir
Sua voz é emitida a cada instante
Dentro da minha cabeça

Você é minha droga ilícita
Sou um paciente com estado grave
A beira de uma overdose de amor

Não consigo mais viver
Sem olhar nos seus olhos
Beijar tua boca me faz bem
E a troca de sorrisos
Faz meu ar ficar mais puro

Eu sei que no calor dos meus braços
Você se sente segura
A cada dia a gente envelhece
Mas o que queima mesmo
È aquele amor a primeira vista

Somos micro partículas agarrados
Um ao outro dentro de um átomo
Somos o romance de Shakespeare
E a paranoia de Freud

Você é aquela velha bossa de tom
Você é meu samba nacional
Ô meu anjo deixa nosso amor rolar
Para que quando velhinhos possamos tomar chá
Lembrando da nossa vida
Que foi a verdadeira arte de amar.

(Rafael Cajado)

Madrugada de Saudade Musical

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Por Suzana Martins e Rafael Cajado

 A música toca no player. A luz apagada, a chuva despencando lá fora entre as gotas de saudade e algumas lágrimas que encontram o passado e brincam com o presente... Algumas outras fumaças que se misturam a canção, algumas outras vozes encontrando o coração. Um chá, um cigarro, uma música e tanta saudade acumulada brincando de contrabaixo, de sons e toques de amizade... A canção vai descrevendo momentos que aconteceram do outro lado da saudade, e em algum lugar um pretérito cantando as grandes recordações de um tempo privilegiado. E nesse lado, nesse tempo, presente inexplicável, porém perceptível...

Tudo isso descende de uma velha lembrança, que guardamos em um velho coração de criança. Lembranças que se mistura com o cair da noite, esperando o levantar do sol que vem a nascer e morrer no único dia... E sigo, recordando a saudade sentida num fone e num microfone de risadas, de lágrimas... Enfim, assim levando o prazer e deixando a emoção vir à tona por uma única canção, da qual se torna uma máquina do tempo nos transportando para o passado e o presente de um consolo ainda ausente.

S.C Arte&Cultura

Fases...

Fases...
ora sou menino,ora adulto,músico,desenhista,poeta,escritor,louco,insano e desproporcionado,mas a verdade disso tudo é que vivo apaixonado!

Site de Arte&Cultura

Poetas

Poetas
Todo poeta precisa de inspiração,e não vive sem uma "MUSA",pois poetas vivem apaixonados e compõem em meio a surtos de amor e devaneios...

Blog Archive